Matéria por Redação Secad

Os casos de epidemia por vírus respiratórios ganham notoriedade entre a comunidade médica, a mídia e o público em geral. Essa “agitação” sempre ocorre com a chegada do frio – já que a proliferação dos vírus é mais comum no inverno e as complicações, principalmente em crianças, costumam deixar sequelas graves. Não raro, as doenças evoluem para pneumonias e, em alguns casos, podem levar a óbito.

Nesse sentido, exames como a oscilometria por impulso (IOS) auxiliam no diagnóstico de obstrução nas vias aéreas causados por asma, rinite, sinusite e bronquite crônica, além de detectar a doença pulmonar obstrutiva crônica. Na prática, o método determina as propriedades mecânicas do pulmão e tórax. Os impulsos provocados por um gerador externo resultam em oscilações de fluxo através de ondas sonoras que se sobrepõem à ventilação espontânea. Assim, é possível analisar as respostas de variação de pressão e débito pulmonares.

O procedimento é bastante utilizado na fisioterapia pediátrica por não ser invasivo e não depender de manobra do paciente. Apesar de ser considerado um método simplificado, o exame requer a compreensão dos parâmetros técnicos por parte do pediatra, já que na verificação é preciso denominar a impedância respiratória (Z) e suas variações de resistência (R) e reactância (X).

O acompanhamento do teste ainda exige do fisioterapeuta a observação da regularidade dos registos com e sem artefato para verificar a presença de sibilo e sua relação entre volume (hertz) e tempo (em segundos).

Sono prejudicado e parâmetros de alta precisão

A oscilometria por impulso é o método mais sensível para determinar patologias obstrutivas e estenoses extratorácicas. Além disso, ela auxilia no diagnóstico precoce de alterações funcionais e seus níveis de obstrução.

Doenças respiratórias, como se sabe, influenciam a qualidade do sono. Nesse sentido, embora as alterações causadas por elas sejam referenciadas pela rotina diurna, percebe-se queda na qualidade de vida do paciente a partir de complicações noturnas. Entre as mais comuns está a apneia, que apesar de apresentar maior incidência em adultos também acomete crianças.

Não por acaso, a pauta sobre distúrbios do sono interessa cada vez mais fisioterapeutas. Aqui, uma das novidades é o exame de polissonografia, que ajuda a identificar alterações no padrão de sono da criança. Assim, os eventos respiratórios ganham destaque em novos estudos da área.

Atualizações sobre polissonografia e oscilometria por impulso são alguns dos temas abordados no novo ciclo do Programa de Atualização em Fisioterapia Pediátrica e Neonatal (PROFISIO PED). De acordo com a fisioterapeuta Camila Santos, uma das organizadoras do novo ciclo, o programa é essencial para quem busca atualização na área. “Os conteúdos auxiliam os profissionais a interpretar o exame e a viabilizar um maior entendimento da mecânica respiratória dos pacientes”, explica.

Promovido pelo Secad, o Ciclo 7 do PROFISIO PED entrega a partir de maio quatro volumes trimestrais com artigos e exercícios elaborados por autores renomados. Confira a relação completa dos textos:

  • Uso da CIF no contexto da fisioterapia respiratória pediátrica
  • Estimulação auditiva na unidade de terapia intensiva neonatal
  • Hérnia diafragmática congênita: cuidados e manuseio pela fisioterapia
  • Atividade física na infância e na adolescência: importância, mensurações e indicações
  • Como tornar a fisioterapia respiratória mais agradável?
  • Cuidados paliativos no paciente oncológico (papel do fisioterapeuta)
  • O exercício como adjunto da terapia de remoção de secreção de vias aéreas na fibrose cística
  • Prática clínica do fisioterapeuta com ventilação oscilatória de alta frequência em pediatria e neonatologia
  • Técnicas de fisioterapia respiratória em recém-nascidos pré-termo
  • Bases fisiológicas das técnicas manuais a fluxo e a volume
  • Fisiologia muscular ventilatória do recém-nascido: implicações para a prática clínica
  • Polissonografia na fisioterapia respiratória em pediatria
  • Síndrome do Respirador Oral: qual a abordagem da fisioterapia respiratória?
  • Ventilação não-invasiva em emergência pediátrica
  • Avaliação respiratória em pediatria
  • Instrumentos de avaliação da função pulmonar e do músculo diafragma em lactentes: pletismografia optoeletrônica e ultrassonografia diafragmática
  • O papel do fisioterapeuta na desospitalização do paciente pediátrico
  • Sistema de oscilometria de impulso na avaliação respiratória da criança
  • Yoga e asma na pediatria – efeitos psicofisiológicos e potenciais mecanismos de atuação
  • Instrumentos de avaliação da função pulmonar e do músculo diafragma em lactentes: pletismografia optoeletrônica e ultrassonografia diafragmática
  • O papel do fisioterapeuta na desospitalização do paciente pediátrico
  • Sistema de oscilometria de impulso na avaliação respiratória da criança
  • Yoga e asma na pediatria – efeitos psicofisiológicos e potenciais mecanismos de atuação.